Saltar al contenido
alergia árvores

Quais são as árvores que produzem mais pólen?

Existem certas alergias que, embora permaneçam durante todo o ano, encontram o seu auge nos meses de inverno. Uma das mais comuns é a alergia ao pólen, que atinge os seus níveis mais elevados na primavera, mas também nos meses de janeiro e fevereiro. Tradicionalmente, costuma-se associar à primavera a época mais intensa para a alergia ao pólen, mas a verdade é que existem certas árvores que polinizam, sobretudo, no Inverno. Algumas delas, estão presentes de forma habitual nos jardins, parques e arvoredos comuns. Se lhe perguntássemos, saberia dizer quais são as árvores que produzem mais pólen? Dizemos-lhe neste artigo para que possa passear com paz de espírito, evitando as zonas onde são encontradas.

Pólen no Inverno: estas são as plantas que produzem mais pólen

Como referimos, existem diferentes tipos de pólenes, e nem todos eles emergem na primavera. Em alguns casos, a sua presença estende-se também ao inverno, embora seja cada vez mais comum que permaneçam no ambiente durante a maior parte do ano. Especialmente em anos tão secos como o que está a chegar ao fim.

  • Cupressaceae

As árvores pertencentes à família das Cupressaceae sofrem o período de polinização entre os meses de novembro e março, com os níveis mais elevados entre janeiro e fevereiro. Fazem parte desta tipologia os ciprestes, as arizonicas, o zimbro e todas as árvores com folhas aciculares.

  • Amieiros

Este tipo de árvore encontra-se geralmente ao longo das margens do rio e, embora o seu pólen não seja o que provoca mais alergia, atinge o seu máximo nos meses de fevereiro e março.

  • Freixo

Os freixos, que pertencem à família das oleáceas, também polinizam no inverno, entre dezembro e fevereiro. Neste caso, o pólen costuma ter uma capacidade alergénica mais elevada. De facto, as pessoas com alergia às oliveiras também podem ser alérgicas ao freixo, já que ambas as árvores pertencem à mesma família.

  • Choupo

Esta é uma das árvores mais frequentemente encontradas nas grandes cidades, e tem também o seu pico de polinização mais alto no inverno, entre fevereiro e março. No entanto, tem um baixo nível alergénico, pelo que a reação que gera é normalmente mais suave.

 

Árvores com maior potencial alergénico

Agora que sabe que plantas podem provocar mais alergia ao pólen na época mais fria do ano, é o momento de analisar quais as plantas que têm o pólen mais alergénico:

  • Oliveira: o pólen da oliveira é um dos que mais alergias provoca (alergia ao pólen da oliveira), e a sua época de maior esplendor situa-se nos meses de maio e junho.
  • Bétula: é também relativamente comum sofrer de alergia ao pólen da bétula, principalmente entre março e maio.
  • Carvalho: o carvalho é uma das espécies de árvores mais disseminadas na Península Ibérica e é aconselhável evitá-la na primavera, que é quando mais poliniza.
  • Álamo: esta árvore é semelhante ao salgueiro, por isso tende a crescer em zonas mais húmidas. O seu pólen causa geralmente cerca de 20% das alergias ao pólen.
  • Cedro: neste caso, o período de polinização estende-se durante os primeiros seis meses do ano.
  • Plátano da sombra: esta é uma das árvores mais utilizadas em termos de decoração em muitas cidades europeias, pelo que as alergias ao pólen desta árvore, que se produz na primavera, aumentaram nos últimos anos nas zonas urbanas.
  • Azinheira: este é um tipo de árvore com um alto poder alergénico e que sofre polinização em maio.

 

Como combater as alergias causadas pelo pólen das árvores

Os anti-histamínicos são o melhor aliado para as pessoas com maior sensibilidade e alergias ao pólen das árvores. As pessoas com uma reação menos intensa encontrarão remédio suficiente nos mais genéricos, uma vez que são suficientes tanto para as alergias interiores como para as alergias exteriores.

Em qualquer caso, é aconselhável consultar o seu especialista em alergologia ou o seu farmacêutico de confiança se tiver qualquer dúvida sobre como combater as alergias causadas pelo pólen das árvores.

 

Conselhos para evitar o pólen no exterior

  1. O primeiro passo para evitar a alergia ao pólen de forma eficaz é saber a que tipo de alergia em concreto tem reação. Depois de identificar o alergénio, será muito mais fácil aplicar um tratamento específico.
  2. Evitar sair em zonas de maiores concentrações de pólen. Evitar os parques, jardins ou o campo em geral, para não ser ainda mais afetado pela alergia.
  3. Não sair nas horas de maior concentração de pólen (meio-dia com temperaturas altas). Quando viajar, por exemplo, desloque-se durante a noite ou de manhã cedo. Além disso, se quiser praticar desporto, é melhor evitar fazê-lo ao ar livre, de preferência em ginásios fechados.
  4. Manter as janelas fechadas em casa e também no carro quando viajar para evitar que as partículas entrem no interior e afetem o doente de forma direta.