Saltar al contenido
alergia aos pólens dos platanos

Alergia aos pólens dos platanos, um problema comum nas cidades

Sabia da alergia aos p√≥lens dos platanos? A alergia ao pl√°tano de sombra cresceu consideravelmente nas √ļltimas duas d√©cadas. Hoje descobrimos tudo sobre esta alergia na cidade.

infogr√°fico sobre alergia ao pl√°tano de sombra

A alergia ao p√≥len, tamb√©m conhecida como polinose, tornou-se num problema sociossanit√°rio de primeira magnitude. N√£o existem dados sobre Portugal, mas de acordo com a Sociedad Espa√Īola de Alergolog√≠a e Inmunolog√≠a Cl√≠nica (SEAIC) mais de 8 milh√Ķes de pessoas em Espanha sofrem deste problema. Embora algunas apresentem uma sintomatologia leve, para outras pode ser inclusive incapacitante na sua vida di√°ria.

A alergia ao poŐĀle √© uma das alergias mais comuns. Dentro desta tipologia, os poŐĀlenes mais frequentes saŐÉo de : gram√≠neas (cerca de 80%), oliveiras (40%), cupress√°ceas ou ariz√≥nicas, pl√°tanos, salsolas e pariet√°rias.

Pólen na cidade: alergia ao plátano de sombra

O pl√°tano de sombra, de nome cient√≠fico Platanus x hispanica, √© uma √°rvore de folha caduca pertencente √† fam√≠lia das platan√°ceas (n√£o tem rela√ß√£o com as bananeiras). Trata-se de uma esp√©cie h√≠brida, resultado da mistura do Platanus orientalis (t√≠pica da Eur√°sia) e do Platanus occidentalis, uma esp√©cie proveniente da zona atl√Ęntica dos Estados Unidos. Por√©m, para outros especialistas, trata-se de um cultivo da primeira esp√©cie e n√£o um h√≠brido.

Embora as suas origens exatas sejam desconhecidas, sabe-se que foi introduzida na Pen√≠nsula Ib√©rica pelos romanos, que a utilizaram como √°rvore ornamental e em caminhos e estradas devido √† sombra exuberante que oferece (da√≠ o seu nome). Por isso √© comum encontraŐĀ-la em jardins e parques de pa√≠ses de ambos os continentes.

O pl√°tano de sombra, uma √°rvore muito cosmopolita

O plátano de sombra tem sido usado de forma intensiva na jardinagem graças às suas características:

  • √Č uma √°rvore de crescimento r√°pido, podendo atingir at√© 30 metros de altura.
  • A sua copa √© larga, alta e abaulada. A sua casca √© cor pardo clara ou pardo acinzentada que se parte em placas de ritidoma de cores esverdeadas, amareladas e cinzentas.
  • As flores masculinas e femininas s√£o agrupadas em infloresc√™ncias esf√©ricas penduradas em longos ped√ļnculos.
  • √Č muito resistente. Tolera muito bem atmosferas polu√≠das por poeiras e gases, e √© capaz de absorver o CO2, ajudando assim a reduzir a polui√ß√£o.
  • Pode regular a humidade e a temperatura e abafar o ru√≠do.
  • Al√©m disso, s√£o √°rvores de vida longa: algumas chegam aos 300 anos.

A poliniza√ß√£o ocorre num curto per√≠odo de tempo de apenas 20 dias, e geralmente ocorre entre os meses de mar√ßo e abril ou abril e maio, embora possa ser interrompida pelas chuvas. Apesar do curto per√≠odo de poliniza√ß√£o, este eŐĀ muito explosivo: no ano 2000, foram contabilizados quase 50.000 gr√£os de p√≥len por metro c√ļbico; de facto, estima-se que uma √°rvore de pl√°tano possa conter at√© 143 mil milh√Ķes de gr√£os. Como se isso fosse pouco, em algumas ocasi√Ķes foram detetados restos de poliniza√ß√£o em outubro e novembro devido ao refluxo p√≥s-sazonal.

Alergia ao pl√°tano de sombra

A alergia aos pólens dos platanos cresceu consideravelmente. Isso tem levado muitas cidades a considerar a possibilidade de deixar de plantar este tipo de árvores e procurar outras espécies.

Sintomas de alergia ao pl√°tano

Os sintomas geralmente aparecem em doentes que vivem em áreas urbanas, que é onde este tipo de árvore é encontrado, e apresentam alergias poucos dias após a polinização.

Em geral, os sintomas costumam ser violentos e bruscos, sendo os mais frequentes os seguintes:

  • Rinite al√©rgica: comich√£o nos olhos, nariz, boca e garganta, espirros e olhos chorosos.
  • Conjuntivite
  • Epis√≥dios de asma, ainda que com menos frequ√™ncia que os anteriores.
  • Tosse

A maioria das pessoas que tem alergia a este tipo de pólen também apresenta sintomatologia a outros tipos de pólen.

Além do pólen, existem outros bioaerossóis nesta árvore que podem causar sintomas respiratórios e oculares: os tricomas (pelos finos que crescem nas folhas) e as fibras de aquénios.

Não só respiratório, também alimentar

No caso do pl√°tano de sombra, n√£o s√≥ se trata de uma alergia respirat√≥ria, como tamb√©m alguns doentes podem ter problemas ao comer frutas. Isto deve-se √† presen√ßa da LTP (Prote√≠na Transportadora de L√≠pidos), uma prote√≠na que funciona como defesa e que se encontra nesta √°rvore e tamb√©m na casca de muitas frutas e vegetais como as ma√ß√£s, p√™ssegos e at√© tomates. Por√©m, o facto de uma pessoa sofrer de ¬†diversas alergias ao longo da sua vida √© algo muito comum, e tem o nome de ¬ęMarcha Al√©rgica¬ę.

PT-P- ZI-ALY-2100050